Exame Médico? Pois sim!...
Meu nome é Francine. Sou casada há dois anos e todas as minhas aventuras extraconjugais acontecem, ou de comum acordo com o meu marido, ou acontecem sem que ele saiba e, depois, conto tudo para ele; como, por exemplo, o que houve no clube social que freqüento. Sou morena, cabelos negros e longos, sobrancelhas grossas, seios firmes, cinturinha, bunda arrebitada, pernas muito bem feitas (modéstia à parte) e uma boceta sempre afogueada e superpeluda, um detalhe que o meu marido adora!!! É a única coisa que ele me pede: que eu nunca me depile, mesmo que alguns pêlos apareçam nos lados do biquíni; ele diz que o meu triângulo de pêlos púbicos é simplesmente espetacular! Voltando ao clube: para se ter acesso ao parque aquático é obrigatório fazer um exame médico mensal. O médico que assumiu agora é recém-formado e veio com fama de super-caxias. Jovem, alto, um homem muito bonito, daqueles que despertam logo as fantasias sexuais femininas. Quando cheguei ao clube, peguei o último lugar na fila do exame médico. Minha roupa de banho era um biquíni amarelo, bem pequeno, que realçava bastante o volume do meu púbis; coloquei uma saída-de-banho bem bonita e aguardei; ao chegar minha vez, ele pediu que entrasse e fechou a porta; em seguida, pediu-me que retirasse a saída-de-banho. Fiquei de costas e, quando retirei a peça que cobria o biquíni, notei, pelo espelho, que uma grande porção de pêlos pubianos estava à mostra. Na hora, me veio a tentação: ao invés de tentar escondê-los, agi como se não soubesse que eles estavam aparecendo. Virei-me de frente e notei que ele arregalou os olhos e ficou pálido; eu me mantive o mais natural possível, me divertindo com a excitação daquele homem lindo; tentando se controlar, me examinou as axilas, as mãos, os pés e não conseguia tirar os olhos do meu púbis; finalmente, disse que estava tudo bem comigo. Como tenho alergia a altas temperaturas, fiquei conversando um pouco mais com ele sobre esse meu problema e pedi seu telefone caso precisasse, no que fui prontamente atendida; e ele não tirava os olhos do bocetão! Então, criando coragem, me perguntou se meu marido não sentia ciúmes em saber que sua mulher, sendo tão bonita e atraente, estava sozinha num clube e de biquíni, deixando os homens todos em polvorosa! Eu lhe disse que meu marido era o cara mais legal que eu conhecia, que tinha inteira confiança em mim e que não tínhamos segredos um com o outro. Ele deve ter se motivado com a minha resposta pois, logo depois, quando eu estava à beira da piscina, recostada em uma dessas cadeiras de repousar e um pouco isolada dos outros, notei que ele dava um jeito de passar na minha frente, o que aconteceu umas quatro vezes seguidas; eu, notando o interesse dele, deixava minha xoxota bem exposta; na última passada, ele sorriu para mim e abanou uma despedida; em resposta, lhe enviei um sorriso bem sensual. Eu estava excitada ao máximo! O exame médico vale por um mês; contei tudo para meu marido e ele me disse que eu caprichasse mais ainda na próxima vez!!! Após aquele longo mês de espera, fiquei [agora de propósito] no fim da fila, novamente. Ao chegar minha vez, que frustração... ele estava doente e tinha um substituto em seu lugar. Uma droga!... O jeito seria esperar mais um mês e fui recompensada pela espera. Lembrei-me do número do seu telefone; liguei duas vezes: uma, para saber como estava de saúde e, na outra, aleguei que estava com uma irritação na pele e lhe indaguei sobre um possível medicamento; disse-me que fosse ao próximo exame, que ele estaria lá e que faria um exame detalhado. O que mais gostei foi constatar que ele se lembrava de mim, entre tantas pessoas! ele conheceu minha voz e isso me deixou felicíssima!!! No dia do exame, fui ao clube sentindo uma tremenda excitação. Esperei um pouco e lá estava ele, de novo! Ao abrir a porta para entrar a próxima pessoa, parecia que procurava alguém pelo jeito que examinava a fila; ao ver-me, sorriu um sorriso maravilhoso e fez um gesto de agrado, apontando o polegar para cima. Tive certeza, então, que esperava ver-me e ficou satisfeito em saber que eu tinha comparecido. Eu estava vestida, propositadamente, com roupa normal e estava usando uma calcinha íntima, tipo biquíni, pequeníssima, branquinha e transparente. Ao chegar minha vez de ser examinada, disse-lhe que ainda não estava de maiô e perguntei se ele se incomodava de me examinar, estando eu com roupa íntima. Sorrindo, ele disse que não havia mal nenhum. Ao ver-me só de calcinha e soutien, o cara ficou de olhos esbugalhados, vendo o pretume dos meus pentelhos sob a calcinha e escapando dela! Após o exame, disse que estava tudo bem comigo e me encheu de elogios, que eu era bonita demais, que eu podia ficar daquele jeito na frente dele, mas um outro homem não iria se conter. Nesse momento me veio uma idéia luminosa: disse-lhe que sentia uma comichão incômoda perto da virilha e queria que ele examinasse; quase sem fala, pediu-me que tirasse a calcinha e deitasse para examinar melhor. Fiz o que ele pediu; aproveitei para fazer um strip-tease bem sensual, deitei-me e, enquanto ele colocava as luvas, afastei as pernas e elevei o púbis, deixando-o bem abaulado! Ao me examinar, notei que sua respiração estava ofegante, tentando se controlar; meu grelo estava intumescido e minha boceta já estava toda encharcada de tanta excitação; embora ele tentasse disfarçar, vi perfeitamente que estava de pau duro que, pelo tamanho da barraca armada, deveria ser enorme! Teve um momento em que ele aproximou um pouco mais o rosto e aí aproveitei para levantar ainda mais o púbis e quase encostei a boceta em sua boca; então, o rapaz não se conteve mais; caiu de boca no meu grelo e chupou com vontade! Que coisa boa!!! Em retribuição, eu esfregava minha xoxota em sua língua; ele lambia meu clitóris com verdadeira volúpia e, talvez devido ao local e àquela situação maluca, gozei imediatamente, um gôzo imenso que me fez tontear; enquanto eu ainda gozava, ele me puxou para a beirada da maca e afastou bem minhas pernas; então, retirou seu enorme mastro e me penetrou fundo, só que ele gozou logo!... Uma ejaculação forte, que parecia não ter fim! Ele chegou a perder as forças! Por fim, me disse que eu era maravilhosa, supergostosa, que há um mês não conseguia dormir direito, pensando em mim e em como gostaria de fazer amor comigo! Pediu-me, então, que nos encontrássemos novamente, em local apropriado e com mais calma. Marcamos um encontro num local romântico e seguro, o melhor lugar do mundo: minha casa! Ele chegou, já exibindo uma superexcitação! Convidei-o a entrar e vi que estava deslumbrado, pois eu estava muito bem vestida, com um vestido bem comportado, lindo de morrer!Elogiou-me, novamente, dizendo que eu era uma das mulheres mais lindas, sensuais e sexuais que ele já vira! Agradeci e lhe indiquei o sofá. Sentando-se, ajeitou o pauzão na calça, deixando a ereção bem à vista. Sentei-me ao seu lado, olhando intencionalmente para aquela enorme elevação em sua calça. Puxando-me para si, beijou-me apaixonadamente, enquanto acariciava meus seios e minha boceta por sobre a roupa. Não fiz por esperar! Segurei seu pau com vontade, senti toda a sua extensão e procurei o zíper para abrir a calça; isso tudo durante o beijo! Vi que ele estava sem cueca, o que facilitou trazer a tora para fora... Inacreditável!!! O pau era enorme, grosso, cheio de veias! Não sei dizer o tamanho ao certo, mas dava para segurar com as duas mãos e ainda sobrava uns dez centímetros! Estava louca para retribuir o sexo oral que me fizera no clube. Levantei-me para ir buscar duas almofadas grandes, que coloquei no chão à sua frente; ajoelhei-me sobre as almofadas, segurei o torão com vontade e chupei com toda a volúpia: primeiro, a cabeçona, que já estava arroxeada; ele gemia, gemia e impulsionava minha cabeça para baixo; tentei abocanhar o mais que podia, mas o mastro era grande demais e, ao chegar na metade, já estava pressionando minha garganta; assim mesmo, chupei com verdadeira tara; então, aquela coisa gigante foi se avolumando, ele esticou o corpo, disse que ia gozar e me preparei! Sentindo o momento, apertei-o em minha boca e, então, ele gozou! Que maravilha! Saiu tanto esperma, que quase me sufocou; após engolir aquilo tudo, fui retirando, lentamente, aquela "jamanta" da boca e, para minha surpresa, continuava duro!!! Que loucura! Enquanto ele descansava, aproveitei para me despir em sua frente, o que fiz com toda a sensualidade. Ele já não sabia mais o que falar, estava extasiado! Ao ver-me toda nua, suplicou que o levasse para a cama; lá, retirou toda a sua roupa e deitou-se, totalmente excitado. O pauzão parecia que ia explodir de tão teso! Sentei-me naquele mastro e, lentamente, coloquei todo em minha xoxota! Uma delícia! Iniciei um movimento de sobe-e-desce, bem lento, fazendo-o delirar de prazer. Que trepada!!! Agora, mais calmo, mais confiante, ele mostrou do que era, realmente, capaz; trepou comigo durante umas duas horas, em todas as posições que se possa imaginar, controlando a ejaculação e me levando a ter diversos orgasmos!!! Depois disso, tivemos, ainda, diversos encontros e, de cada vez, o prazer era mais intenso! Eu lhe disse que não estava fazendo aquilo às escondidas, que meu marido sabia de tudo, desde o início; para minha surpresa, disse-me que tinha certeza disso e, antes que eu dissesse, sugeriu que poderíamos fazer sexo a três! A partir daí, durante uns cinco meses, aconteceram coisas inacreditáveis: um na boca e o outro no bocetão; dupla penetração (uma maravilha aquele pauzão todo enfiado no meu cuzinho, enquanto o marido comia minha boceta!) e outras loucuras mais! Mas, nada é eterno: chegou o dia em que o meu doutor teve que ir para a Europa, fazer pós-graduação... Pode ser que, na volta, ainda tenha o mesmo fogo! Será?! É esperar para ver...

 


Todos direitos reservados.All rights reserved.